sábado, 28 de maio de 2011

A Politica dos Bastidores - Rebeldia Sindical

Por Miguel Samuel de Araújo

Rebeldia Sindical: até onde vale a pena vale a pena afrontar decisão da Justiça?

Como afirmamos em edições anteriores, em décadas passadas era compreensível o comportamento de lideranças de sindicatos que se rebelavam contra decisões da justiça até porque naquele momento da conjuntura, o embate era ideológico e pela conquista da liberdade sindical. O regime militar era cruel, batia, prendia e matava. Hoje em Paulínia, está evidente a disputa pelo poder local de forma antecipada


Tem alguém por trás
Em que pese o discurso dos diretores do Sindicato de que a movimentação é por reposição de salários e melhorias de condições, não há como esconder o dedão do ex- prefeito nisso tudo. A evidência está na presença das pessoas ligadas a ele que estão do lado de fora do quadro de funcionários comissionados e pessoas de fora da cidade na liderança do movimento, forçando para que a greve não acabe.


O papel real do Sindicato
Com certeza, essas pessoas não levam em conta a multa de R$ 100 mil por dia que está em curso contra o Sindicato e nem as conseqüências pelo não cumprimento de decisão judicial em vigor. Assim, o movimento legitimo dos servidores perde sentido pela contradição do discurso de que os comissionados, os chamados cargos CCs, incham a folha de pagamento, porque hoje ninguém pode negar que o movimento que chamado de “Fora Pavan” tem no comando o ex- prefeito Edson Moura, ex- aliado e hoje rompido politicamente com o atual prefeito. Ao justificar o seu rompimento, Moura falou que tomara essa posição porque os seus aliados não foram nomeados para os cargos.


Sem cargos
Hoje, uma das pessoas para quem Moura pediu cargo, é um dos coordenadores do Movimento. O advogado Artur Freire tem como coadjuvante o ex- vereador , Mário Lacerda , cuja filha e genro também foram exonerados por Pavan. O ex assessor de Gabinete, o segurança, conhecido como Edgar Polícia- também alega perseguição política contra sua esposa. Ela tinha um cargo comissionado na administração Moura e não foi mantida por Pavan. No movimento tem outras pessoas que perderam seus cargos e alegam perseguição política, ou que pleiteiam espaços na administração pública.


Oportunista
Um exemplo é o caso do representante comercial de planos de Saúde, Grimaldo José dos Reis, presidente do PC do B e que de comunista não tem nada. Ele nunca esteve em nenhum movimento de trabalhadores ou movimento social. Hoje, ele é um dos lideres do “Fora Pavan.” Grimaldo só está como presidente do PC do B, por força de um acerto político entre Moura e a cúpula Estadual da legenda que impediu o PCdoB de apoiar a candidatura petista em 2008. O presidente da Associação Comercial e Industrial de Paulínia, Wilson Machado, também perdeu espaço no governo


Toma lá, da cá
O quadro chama a atenção porque o movimento dos servidores municipais pode se tornar uma moeda de troca para a cobrança de uma fatura política, enquanto a população não suporta mais os serviços públicos prejudicados por mais de 50 dias. A cúpula do Sindicato que comanda o movimento com o apoio de lideres de outras cidades, conhece o processo de disputa política partidária, sabe quem se beneficia com tudo isso e para quem está fazendo palanque. Os dirigentes também são filiados a partidos políticos se lembram muito bem, como foram tratados pelo ex- prefeito e não há como esconder que eles se interessam pelo poder. Ora, se a pessoa está em partido político, no caso o PV, não é só para plantar árvores, é porque almeja algo mais, certo?


Interesse público
O povo que nos anos difíceis apoiou os movimentos de trabalhadores, hoje merece respeito. A nosso ver, hoje o movimento Sindical de servidores deveria ser mobilizado pelos interesses coletivos, propositivo em políticas publicas e inovador no modelo e relacionamento com gestores públicos. O administrador público tem que ver o conjunto da cidade, deve ser cobrado neste sentido. Ele não deve olhar só pelos interesses corporativistas da categoria. Não há como garantir que o simples atendimento da pauta do Sindicato, a população será atendida como merece. A humanização e o acolhimento, estão no respeito ao indivíduo e na ética antes de mais nada.


Desfocado
A mistura de movimentos com focos e objetivos distintos e liderados pelas mesmas pessoas -, um por salários e melhoria de condições e outros pedindo a saída do prefeito, revela o interesse principal de desestabilizar a cidade, São interesses de quem olha para si próprio e faz média com o povo


Aloprado I
Para lembrar a história buscamos um vídeo que está no Youtube em que Moura pratica a traição publica contra Jura Matos para justificar que Simone Moura tinha que ser a vice de Pavan para derrotar o PT. Em seguida ouvimos um áudio em que o próprio Moura garante nos microfones da radio dele que está para se unir ao PT contra Pavan. Afinal, quem é sério nisso tudo? E o povo como fica com tudo junto e misturado


Aloprado II
O movimento patrocinado por Moura deixa claro o intuito de levar a cidade ao um processo de desestabilização. Vejam bem, afinal o que eles querem? Que o prefeito cuide sua defesa para não ser cassado ou que ele negocie a pauta. Tem dois adesivos rolando pela cidade.


Cebolão
O que muitos não levam em conta é o holerite que vai sair com os descontos. Muitos que hoje sorriem, poderão estar como quem está a cortar cebolas. Agora, pergunte aos políticos e politiqueiros de plantão se as contas bancárias deles estão no vermelho


Correria só

Os articuladores do Movimento contra o prefeito parecem estar fora de si, aponto de convocar quem vê pela frente. Entram em todos os lugares, chamam que vê pela frente e não perdoam nem os animais do Parque Ecológico

6 comentários:

  1. Legal esses comentários de bastidores da politica.

    ResponderExcluir
  2. Sérgio Antonio de Oliveira28 de maio de 2011 19:35

    Miguel você acha mesmo que cerca de 2.000 servidores públicos em greve começaram tal movimento para promover alguém a candidatura futura???? Lógico que não!!!! Aí vem você e me diz: "É Oliveira, o Cabral tem pretenções políticas". Oras bolas, isso já é sabido por todos, não somos inocentes ou como diria o filósofo alemão Nietzche não temos "espírito de rebanho", estamos lutando por melhores condições de trabalho e isso inclui não só o papel higiênico para limpar a "bunda" quando da vontade fisiológica durante o trabalho, da falta de um Data-show em cada sala de aula, de computadores para todos os alunos (inclusive o da periferia), de uniformes novos para os Guardas Municipais e Noturno (que muitas vezes são obrigados a comprar do próprio bolso equipamentos essenciais para desempenhar sua função), sem contar a estrutura física dos prédios públicos etc. Sei que a população é a mais afetada com todo essa falta de gerencia política por parte de nossos representantes legais (vereadores) e de nosso Prefeito....fica dado o recado para todos....querem mudanças, querem uma verdadeira democracia no sentido etimológico da palavra...venham para luta, venham para a mudança de fato...onde a democracia será exercida pela origem da palavra: Demo=povo e Cracia= governo. Sérgio Antonio de oliveria, servidor público municipal há 13 anos.

    ResponderExcluir
  3. O funcionário Sérgio Antonio, acima, esta como servidor a 13, certo? Assim como ele outros servidores também estão a anos no serviço publico de nossa cidade. Pelo que pude entender até agora dessa greve, os servidores lutam por direitos esquecidos a 10 anos,certo? Porque sómente agora resolveram lutar pelos seus direitos? Porque esperaram tanto tempo? Será que é porque ainda não receberam nenhum abono do atual prefeito?
    Façam-me o favor!!!!!!! Não faço parte do quadro de funcionários e neste momento nem queria fazer.
    Sou contra esta greve, ela é egoista, os grevistas não estão preocupados no que pais e mães estão passando, sem ter creches para deixarem seus filhos e poderem ir trabalhar, algumas mães perderam serviços, enquanto outras teem que deixar seus filhos com os avós e avôs se não quiserem perder seu ganho pão. E são avós e avôs que em sua maioria não tem condições de olharem mais criança.
    Greve é um direito constitucional eu sei, mas tudo tem um limite. E essa greve já passou de limite. Politica é coisa suja mesmo.O Miguel nos diz acima que tudo não passa de manobra politica.
    E ai senhores politicos o bolso de vcs deve estar VAZIO para fazerem tanta manobras afim de ganhar o poder.Só espero que tanta manobra traga a vcs o mesmo que a população esta tendo, preocupação e ansiedade, com a falta de atendimento na saúde e educação, areas essas consideradas como prioridade na boca dos politicos.
    Mais um ponto importante para o próximo prefeito: Faça concurso para todos os cargos e acabe com os CCs que em sua maioria recebem sem fazer nada e tambem não agilizam o serviço nos orgãos ao qual são destinados.
    Parabéns Miguel por suas considerações e ao contrário do leitor acima concordo plenamente com vc essa greve é mais uma politicagem. Democracia é um direito de todos, cade o direito da população?????? Isto é cade educação e saúde????????????????

    ResponderExcluir
  4. Eis aí , o debate

    Em outras épocas, as greves eram levantes contra governos autoritários . Hoje, essa greve de Paulínia é por interesses corporativistas de parte dos que trabalham no serviço público e penaliza povo. Sò depois de uns tempos ao longo desses mais de 50 dias que centraram fogo na bandeira as condições de trabalho

    O pessoal do postinho atende mal por causa da falta de politica de humanização e acolhimeto. Se for um movimehto por melhoria de condições para atender o povo , tudo bem. Agora , não me venha dizer que uma pessoa fica horas e hors gemendo de dor na fila do atendimento porque não há reposição de salários. O povo quer ser bem atendido, os funcionários tem convênio e ne, sentem o que é. Greve é direito sim. Mas o serviço público primeiro deve vir o interesse coletivo. Outra coisa, essa greve virou movimento para derrubar o prefeito . Pior ainda: De um lado gritam : Fora Pavan e do outro apelam com adesivos: prefeito negociação já... Isso é coisa de aloprado, não é ?

    ResponderExcluir
  5. Sérgio Antonio de Oliveira2 de junho de 2011 16:56

    Pra começo de papo gostaria de saber sobre meu convênio médico que você citou acima? Sem reajuste salarial poucos são os servidores que conseguem pagar um plano de saúde familiar, que é o meu caso! Sempre ouvi falar que neste município ninguém precisa de convênio médico, pois o atendimento público da saúde em Paulínia é de primeiro mundo....não vamos nem comentar isso né Miguel...como jornalista investigativo você melhor que ninguém sabe das reais condições da Saúde em nossa cidade....isso bem antes da famigerada GREVE!!! Lí o que escreveu em seu blog em novembro do ano passado, quando já havia rumores de GREVE!!! Se você não se lembra mais...aí vai (http://miguelsamuel.blogspot.com/2010/11/por-miguel-samuel-de-araujo-servidores.html)....creio que você esqueçeu ou acabou caindo em contradição. Companheiro...minha história como a sua é uma história de Luta contra essa burguesia consumista que só pensa em seu próprio umbigo, e esqueçem da maioria que constituem este país ainda de pobres e miseráveis. Não esqueça de sua origem, vamos a luta....muitos doaram vidas para que você tivesse hoje condições de expressão verbal e escrita, atingindo grande parcela da população...seja local, regional ou nacional. Não existe dinheiro no mundo que compre o verdadeiro caráter de um homem.

    ResponderExcluir
  6. Mas eu acho que nossa luta é por questões mais profundas, como a melhoria da qualidade de vida para todos, tanto faz ser um servidor, como um plmiteiro ou catador de latinhas

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.